Um blog para você refletir...

O melhor design da região...

O melhor design da região...
Rua Senador João Câmara, 239, Centro, Santa Cruz/RN

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Minas Gerais pode ter descendentes de Tiradentes, diz pesquisador

tiradentes_2
Pesquisadores do Arquivo Público de Uberaba descobriram, nesta semana, que supostos descendentes de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, viveram na cidade em séculos anteriores. A descoberta foi feita após análises em jornais do século XIX, que divulgaram a morte de Dona Galvina, a suposta bisneta do alferes. Agora, o desafio dos pesquisadores é descobrir se ainda existem parentes vivos na cidade.
A história do mártir da Inconfidência Mineira é cercada de teorias e suposições. Estudiosos acreditam que além de Joaquina, a única filha de Tiradentes reconhecida historicamente, o herói nacional teve outros filhos, entre eles, João de Almeida Beltrão.
Segundo historiadores, o sobrenome “Almeida Beltrão” foi dado para preservar a identidade de Tiradentes. Entre os netos de Tiradentes, filhos de João, estava Carolina Augusta Cesariana, e foi ela quem morou em Uberaba até o fim da vida.
A descoberta ocorreu após documentos encontrados na Superintendência do Arquivo Público de Uberaba. Documento este que motivou a pesquisa aprofundada de uma matéria publicada no jornal Lavoura e Comércio, na década 20. A notícia publicada fala da morte de Dona Galvina, filha de Carolina.
Pessoas que tiverem o parentesco com o mártir da Inconfidência Mineira comprovado podem ter diversas vantagens. Oito descentes já foram beneficiados com projetos de leis nacionais. “Os tetranetos pretendem obter alguma colaboração do Legislativo Federal, através de pessoas habilitadas a deflagrar um projeto de lei que poderiam beneficiá-los com esse reconhecimento oficial de descendência de Tiradentes, em razão de haver outras oito descentes já beneficiados em quatro leis anteriores”, acrescentou Jacob Neto.
Fonte:glaucialima.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Não é o poder que corrompe o homem. O homem é que corrompe o poder”!