Um blog para você refletir...

O melhor design da região...

O melhor design da região...
Rua Senador João Câmara, 239, Centro, Santa Cruz/RN

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Lei alemã não permite extradição de Eike para o Brasil

O empresário Eike Batista – Michel Filho / Agência O Globo

A assessoria de imprensa do BKA (Bundeskriminal Amt), que abriga o escritório da Interpol na Alemanha, não tinha até a tarde desta quinta-feira informações sobre o paradeiro do empresário Eike Batista, um dos principais alvos da operação Eficiência — sobre esquema de desvio e lavagem de dinheiro de contratos do governo do Estado do Rio na gestão do ex-governador Sérgio Cabral. Mas mesmo que o localize, o BKA não tomaria nenhuma providência em extraditá-lo para o Brasil, o que é proibido pela lei alemã.
O empresário viajou para Nova York, com um passaporte alemão, no voo AA974 da American Airlines na última terça-feira. De acordo com o colunista Lauro Jardim, a Polícia Federal suspeita que o empresário seguirá de Nova York para a Alemanha. Eike tem passaporte alemão e, portanto, tem proteção especial da lei do país. Isto significa que pode permanecer na Alemanha mesmo no caso de delitos graves, como homicídio ou tráfico de drogas. Caso o seu envolvimento em um delito grave seja comprovado, ele continua protegido caso a lei do país que o procura ameace com uma penalidade maior do que na Alemanha ou as condições de prisão sejam piores do que nas prisões do país.
O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, determinou a inclusão do nome do empresário na lista “difusão vermelha” da Interpol, que reúne pessoas foragidas da Justiça.
Um dos contatos antigos de Eike na Europa, o publicitário e escritor Michael Kanofsky, de Berlim, lembra que o brasileiro já era ambicioso no tempo de escola quando era ainda adolescente.
— Quem viu Eike já naquela época, não fica admirado de ele ter se tornado um empresário famoso — diz.
Os dois estudaram juntos na renomada Escola Internacional Alemã de Bruxelas. Kanofsky ainda tem uma foto que tirou do brasileiro durante uma viagem da sua classe escolar à Noruega, nos anos 70.
Mas no final dos anos 70 os caminhos dos dois amigos tomaram rumos diferentes. Eike começou a estudar siderurgia na Universidade de Aachen, enquanto que Kanofsky resolveu estudar publicidade e comunicação.
O Globo


Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Não é o poder que corrompe o homem. O homem é que corrompe o poder”!