Um blog para você refletir...

O melhor design da região...

O melhor design da região...
Rua Senador João Câmara, 239, Centro, Santa Cruz/RN

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Cunha diz ter aneurisma igual ao de Dona Marisa, diz defesa

Ao chegar para seu primeiro depoimento ao juiz Sérgio Moro, o ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha leu uma carta em que diz ter um aneurisma como o de dona Marisa Letícia, segundo sua defesa. Cunha disse então que precisa de cuidados que não seriam possíveis no Complexo Médico Penal de Pinhais, em Curitiba, onde está preso desde outubro.
— Eu gostaria de dizer que também sofro do mesmo mal que acometeu a dona Marisa Letícia, um aneurisma cerebral. Aproveito para prestar solidariedade à família — disse o ex-deputado. — O presídio onde ficamos não tem a menor condição de atendimento se alguém passar mal. São várias as noites que presos gritam sem sucesso por atendimento médico, que não são ouvidos pelos poucos agentes que ficam lá.
Muito nervoso, o ex-deputado também reclamou da segurança do presídio e disse que está misturado com condenados.
— Quero alertar que esse juízo também tem responsabilidade pela minha segurança, na medida que estou em presídio misturados a condenados por crimes violentos — disse Cunha.
Ao fim da audiência, a defesa protocolou na Justiça Federal de Curitiba um pedido de liberdade de Eduardo Cunha.
O ex-deputado prestou depoimento sobre a acusação de que recebeu R$ 5 milhões em propina referentes ao esquema envolvendo o projeto do campo de petróleo de Benin, na África, segundo as investigações da Operação Lava-Jato.
A defesa disse que desconhecia o teor da carta levada por Cunha ao juiz Sérgio Moro. O ex-deputado ainda levou um calhamaço de papéis para que fossem consultados durante seu depoimento.
Iniciamente, o processo do ex-deputado corria no Supremo Tribunal Federal (STF). Quando foi cassado, perdeu o foro privilegiado, e o processo passou para Curitiba.
O Globo



Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Não é o poder que corrompe o homem. O homem é que corrompe o poder”!