terça-feira, 19 de junho de 2018

O Diabo quando não vem, manda o secretário.



Escrevo agora sobre um assunto que tive bastante dúvida em escreve-lo. Mas o hábito que tenho, o prazer em escrever, me levaram a escreve-lo.

Diz um ditado popular que "quando o diabo nao vem, manda o secretário". E foi numa missa em trigésimo aniversário de falecimento de um velho amigo e parente meu, que o tinhoso, o coisa ruim , (como muitos chamam o diabo) resolveu intervir, acho eu!!!
Estava eu, acompanhado de um amigo, um idoso e também muitissimo amigo do falecido, quando no começo da missa, sentou-se a nossa frente uma bela moça com um belo vestido comprido, lascado a altura da coxa e as costas toda nua! Ela estava presente à missa junto da mãe e aparentava ter entre 19 a 20 anos.
Confesso, amigos, sem nenhum exagero que não foi fácil pra mim concentrar-me na liturgia daquela cerimônia religiosa. O amigo, homem já com seus 85 anos bem vividos, por sinal, chegou a dizer-me: Achei estranho uma mãe levar a filha a uma solenidade religiosa, ou permitir que a jovem usasse aqueles trajes num ambiente que exige certo respeito.
- Fica dificil pra mim concentrar-me nesta missa, amigo, magine pra você, que ainda é moço!
Ri um pouco, baixinho, claro e falei pra ele:
-Meu amigo, o "diabo quando nao vem, manda o secretário!!"
Ele tambem riu e disfarçamos um pouco. Mas não foi fácil acompanharmos toda a solenidade. As vezes, baixávamos às vistas e, assim foi a missa quase toda.
Portanto, não se deve ir à missa com a mesma roupa que se vai ao Carnaval. Mas quem sou eu pra condenar ninguém? Quem sou eu para condenar o mundo?
Acho que, em cada ambiente, devemos usar umas vestimentas apropriadas ao momento, o que nao foi o casa daquela bonita jovem.
Não se vai à escola com a mesma roupa que se deve ir à praia e vice-versa.
Mas é assim que caminha a humanidade.
Assim como não se deve vestir-se com a mesma roupa de formatura e com ela ir jogar bola!


João Maria de Medeiros é professor, poeta e cronista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Não é o poder que corrompe o homem. O homem é que corrompe o poder”!