terça-feira, 24 de julho de 2018

Estatísticas apontam crescimento do turismo potiguar nos últimos anos

O turismo no Rio Grande do Norte nunca enfrentou e venceu tantos obstáculos quanto nos últimos anos. A crise econômica nacional derrubou estatísticas do turismo Brasil afora. A crise no setor da segurança pública e matérias sobre o assunto, veiculadas em canais abertos de TV, prejudicaram a imagem do estado potiguar, sobretudo no início do ano. E o fechamento da pista no Aeroporto de Natal por um mês cortou em dois terços o número de turismo por dois meses em 2017. Ainda assim, os números apresentam crescimento continuado no turismo internacional e o primeiro semestre de 2018 mantém os índices positivos vistos nos últimos anos.
Dados oficiais do Sistema de Tráfego Internacional da Superintendência da Polícia Federal no RN atestam crescimento de 14,33% entre janeiro e junho de 2018 com relação ao mesmo período de 2017, sendo 14.837 turistas estrangeiros contra 12.977 no ano passado. Esses 1.860 turistas a mais no período representam uma injeção de pouco mais de R$ 4,5 milhões a mais na economia potiguar. O número também é maior que os 14.086 de 2016, com crescimento aproximado de 5,5%. Os argentinos permanecem preponderantes, seguido dos portugueses e italianos. O maior aumento percentual foi de visitantes do Reino Unido (45%) e da Noruega (52,5%).
Outro dado oficial, fornecido pelo Consórcio Inframérica, administradora do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante, aponta crescimento de 9% no fluxo de passageiros internacionais. Foram 48.649 passageiros, entre janeiro e junho de 2018 contra 44.189 do mesmo período do ano passado. “São números expressivos, sobretudo se considerarmos os obstáculos enfrentados. Vale ressaltar que esses números, com certeza, são ainda maiores porque não computam quem imigra ao Rio Grande do Norte vindo de destinos como Argentina, Paraguai, Uruguai e Chile a partir de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, principalmente”, frisa o hoje empresário e secretário estadual de Turismo nos três primeiros anos da atual gestão, Ruy Gaspar.





BBG

Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Não é o poder que corrompe o homem. O homem é que corrompe o poder”!