Um blog para você refletir...

O melhor design da região...

O melhor design da região...
Rua Senador João Câmara, 239, Centro, Santa Cruz/RN

Poesias

Cordel da TELEXFREE
Autor: Paulo César de Araújo


Surgiu em dois mil e doze
Em quase todo o Brasil
Um esquema fraudulento
Algo que jamais se viu
Oferecendo fortunas
E muita gente caiu

O que chamou atenção
Pra todo mundo entrar
Foi ver pobre de Ferrari
Parando de trabalhar
Pastor dizendo na igreja:
Deus vai te abençoar

  Era um nome muito estranho
Que traria conseqüência
Chamado TELEXFREE
Que logo virou tendência
Dela ninguém escapou
Até quem tinha influência

Policial militar
Professor e engenheiro
Médico e advogado
Fazendeiro e até coveiro
Todo mundo quis entrar
Até mesmo o macumbeiro

Era muita propaganda
Causando admiração
Roubaram até Santa Rita
De tanta fascinação
A moda era ter dinheiro
E fazer ostentação

O povo já não comprava
Pois só queria vender
Teve quem vendesse a casa
E entregasse sem saber
Quase todo seu dinheiro
Sem nada compreender

Imagine meu amigo
Você dar tudo o que tem
Confiando numa empresa
Que surgiu lá do além
Investindo seu dinheiro
Ficando sem um vintém

Só que o tempo foi provando
Que tudo era maquiagem
E  o dinheiro prometido
Não passava de miragem
E a justiça interpretando:
Tudo isso é malandragem

Temos que admitir:
O povo não foi prudente
Pois em vão acreditou
Em um golpe decadente
Que apesar da esperteza
Provou ser incompetente

Termino aqui os meus versos
Dizendo com segurança
Que esse esquema fraudulento
Ainda tem esperança
Pois o homem novamente
Agirá igual criança

Fica aqui o meu conselho
Seja sempre curioso
Mas evite ingressar
Naquilo que é duvidoso
Pois pirâmide financeira
É um bicho perigoso!

Autor: Paulo César de Araújo

2013


O grande poder de Deus

Quando Deus criou o mundo
Ele o fez com alegria
Tudo aqui ele criou
Com perfeita simetria
Fez o céu e fez a terra
Tudo com sabedoria

Grandeza que impressiona
Do poeta até o artista
Que fascina reis e nobres
E até os cientistas
Ninguém que fique calado
Que contemple e que resista

Não há quem possa contar
As estrelas do firmamento
Quem tal coisa quer fazer
Fica sem entendimento
Perde tudo que é bom
Até mesmo o pensamento

Em tudo ele foi perfeito
Da estrela até a flor
Singeleza e beleza
Perfeição e muito amor
Pra onde você olhar
Foi ele quem projetou

A terra que pesa tanto
E que não fica parada
Que gira em torno do sol
Dando voltas inclinadas
Na verdade está suspensa
Simplesmente sobre o nada

Tem estrela que é tão grande
Que nem dar pra calcular
O tamanho que ela tem
E a distância em que está
De lá pra chegar aqui
E daqui pra chegar lá

É tanta sabedoria
Que temos que confessar:
Nossa mente é tão pequena
Que nem dar pra alcançar
Só nos resta a alegria
De viver pra contemplar

O homem vem se gabando
Com a sabedoria sua
Mesmo assim com tudo isso
Só chegou até a lua
Mas lá não pode morar
Pois não era sua rua

Mas vamos falar de coisas
Que esteja ao nosso alcance
Pois tem muita coisa aqui
Que é muito interessante
Coisas grandes e pequenas
Da formiga ao elefante

Imagine meu amigo
O que é um passarinho
Um bichinho tão pequeno
Digo até pequenininho
Já sai voando no céu
Sem nunca errar o caminho

E agora me responda
Eu lhe peço com carinho
Quem ensinou para eles
Como construir um ninho
Pois o fazem com cuidado
Com palha, barro e raminho

Quem ensinou as abelhas
A viverem em igualdade
Trabalhando em união
Nas mais pura irmandade
Ensinado para o homem
O que é sociedade

E agora quero deixar
O mundo dos vegetais
Pra falar para você
Do mundo dos vegetais
Este mundo que encanta
Sempre ao homem mais e mais

Mas se você faz mestrado
Ou se acaso é doutor
Eu lhe faço uma pergunta
Me responda por favor:
Pode haver algum projeto
Sem haver um projetor?

Pois se você olhar para flor
Verá muita beleza nela
O perfume que exala
Além da cor tão singela
Que atrai a todo ser
Tanto a bela como a fera

Nela encontramos Paz
É referência para o amor
É totalmente perfeita
Pois Jesus a deu valor
Está com o rico e o pobre
Na alegria e na dor

Paulo César de Araújo


Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Não é o poder que corrompe o homem. O homem é que corrompe o poder”!